Início > Geral > Co-Criação Consciente… já somos capazes

Co-Criação Consciente… já somos capazes

Como o falecido e grande especialista do calendário Maia, Ian Lungold dizia, vamos entrar brevemente no último ciclo antes da grande renovação, ao qual ele chamou de Co-Criação Consciente.

Que pode ser isto?

Sem entrar em discussões sobre premissas base, deixem-me apenas esclarecer que incorporo no meu sistema de crenças duas particularidades que são essenciais de perceber para entender o que venho dizer sobre o tema inicial.

A primeira é a de que o Universo é fractal e muito provavelmente infinito, com os padrões do pequeno a refletirem-se nos padrões do grande e a fazer jus à expressão “assim na Terra como no Céu”. Nassir Haramein explica a questão muito bem.

A segunda é a de vivermos num Universo que é holográfico, ou seja, num Universo em que a informação é indivisível, logo, que a mais pequena particula contém informação suficiente para gerar um novo Universo inteiro. Acontece o mesmo com o embrião humano que, apesar de unicelular, contém toda a informação para construir todos os orgãos multicelulares e distintos que o ser humano tem.

Assim, voltando à Co-Criação Consciente, acredito que a mesma já tenha até começado.

Só muito recentemente, tal como o calendário Maia de Lungold previa, podem os humanos afirmar que conseguem criar algo do nada.

Os recentes desenvolvimentos em Inteligência artificial demonstram que poderá estar para breve um computador com a capacidade intelectual do ser humano.

Os mundos virtuais do Second Life ou do Spore não são mais do que criações conscientes de realidades, que a breve prazo se podem tornar conscientes elas mesmas.

Dentro de algumas décadas, poderemos criar mundos virtuais ininterruptos, também eles criados à nossa imagem e semelhança (como nós supostamente somos criados à imagem e semelhança do nosso Criador), mundos esses que, apesar de conscientes da sua própria existência, pouca noção terão da existência do seu criados, exceptuando sinais esparsos e incongruências complexas.

A semelhança entre esse mundo e o nosso é incrível.

Imaginemos como um personagem do Spore do futuro, por exemplo, responderia à pergunta sobre as provas da existência de um criador. Provavelmente outras personagens o dissuadiriam de acreditar em factos não reais ou concretos para o seu mundo, mas certo é que esse mundo teria mesmo um criador sobre o qual ele poderia interrogar-se.

Assim se cumpriria mais um nível na escala da realidade fractal e se criaria mais um Universo a partir de um Universo mãe, o nosso.

Será ainda no nosso tempo de vida que assistiremos a esta criação, tal qual Lungold a desenhou há alguns anos atrás.

Curiosamente, o NY Times publicou um artigo no seu espaço de ciência onde o autor afirma que as probabilidades de nós próprios sermos uma simulação criada por outra espécie muitíssimo mais avançada que nós são bastante elevadas.

Ler aqui

About these ads
Categories: Geral
  1. Março 9, 2010 às 16:40

    Com a evolução da inteligência artificial juntando esse tipo de jogos de simulação de vidas, será possível a co-criação.
    A inteligência artificial avança a largos passos, e os novos robots, já se reprogramam, e criam algoritmos para tomar decisões, e não apenas decisões pre-programadas…

  2. Março 9, 2010 às 16:42

    Já agora, fica aqui o link para um texto do Portugal Esotérico, sobre os Mayas e o Lungold

    http://ptesoterico.wordpress.com/2009/11/06/calendario-maya/

  1. No trackbacks yet.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 110 outros seguidores

%d bloggers like this: