Actimel da Danone

Tenho pena e lamento que existam certos temas tabus por motivos meramente económicos.

As Multinacionais do sector Alimentar aproveitam-se do poder que os media têm sobre as pessoas para publicitar a compra e consumo de determinados produtos, incentivando a ingestão de substâncias que não são tão benéficas ao nosso metabolismo como vem na Televisão. Realmente mesmo estando em pleno séc. XXI, século da globalização da informação, do fácil acesso à informação e da informação imediata 24h por dia, em que todos os produtos, bens e serviços são controlados, fiscalizados, regulados e rotulados com mini-relatórios exclusivamente informativos desde a concepção à comercialização. Como ia a dizer, mesmo num século em que o Mundo tem estas característica é inconcebível que ainda hajam consumidores que desconheçam as complicações que podem arranjar caso ingiram certo tipo de substâncias de produtos fortemente publicitados na Televisão.

Convém estarmos atentos, informados e avisados de que há interesses económicos que põem e dispõem das nossas vidas a seu belo prazer e não param de nos surpreender com as suas artimanhas! O Actimel, a marca de produtos lácteos probióticos da Danone, é um deles.

O ACTIMEL fornece ao nosso organismo uma bactéria chamada Lactobacillus Casei Imunitass. Esta bactéria é gerada normalmente por 98% dos organismos, mas quando é administrada externamente por um período prolongado, o nosso corpo deixa de a fabricar e ‘esquece- se’ que deve fazê-lo e como fazê-lo, ficando a saúde do nosso sistema imunitário dependente da administração desta bactéria por via oral ou linfática. Este risco ainda é maior caso os consumidores deste produto sejam menores de 14 anos.

Na realidade, este produto alimentar outrora foi um medicamento cuja produção nunca esteve próximo de se tornar rentável, por existir um universo muito reduzido de pessoas com deficiente produção desta bactéria e por isso poucos são aqueles que nascem com esta anomalia. Como os custos de produção não eram cobertos pelas vendas, a Companhia Farmacêutica detentora da patente deste medicamento vendeu-a a uma conhecida Empresa do sector alimentar. O problema desta transacção do medicamento para alimento “massificado” é que transformou uma anomalia exclusivamente inata a inata e adquirida.

Como o número de casos de sistemas imunitários debilitados têm aumentado consideravelmente nos últimos dez anos, a Secretária Estado da Saúde Espanhola obrigou a ACTIMEL a indicar na sua publicidade que o produto não deveria nem podia ser consumido por um período de tempo prolongado. E cumpriram, no entanto de uma forma tão subtil que nenhum consumidor o percebe ( p.ex. ‘desafio actimel: tome durante 14 dias’).

Se uma mãe decidir completar a sua dieta com ACTIMEL, não recebe nenhum aviso sobre a sua inconveniência e não vê que pode estar a causar um dano importante ao futuro dos seus filhos e ao seu devido às manipulações publicitarias da Multinacional DANONE, cuja sua única preocupação é o incremento dos seus benefícios e lucros sem se importar com a saúde dos seus consumidores.

O que vem sustentar ainda mais a teoria que toda a excessiva e exagerada informação apregoada em publicidade pretende provocar precisamente efeitos contrários aos apregoados nos anúncios.

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: