Início > Gnose, História, Psicologia do Autoconhecimento, Autoajuda, Teosofia > O lado gnóstico de Pinóquio (V)

O lado gnóstico de Pinóquio (V)

A Iniciação

Pinóquio, salvo de novo pela Consciência externa, volta para casa para se desculpar e juntar-se ao seu Pai (Criador), mas para seu espanto encontra a casa vazia, descobre que Geppetto fora engolido por uma baleia gigante quando fora em seu socorro. Pinóquio de seguida, salta na água sendo igualmente engolido pela mesma baleia para reencontrar o seu Pai (Criador). Esta é a sua iniciação final, onde Pinóquio terá que fugir da escuridão, da ignorância e da vida fácil (simbolizada pelo ventre da baleia gigante) e, por fim, o atingir da luz Espiritual. Mais uma vez, Carlo Collodi, foi fortemente inspirado por uma história clássica de iniciação espiritual: o Livro de Jonas. Encontra-se no Cristianismo, Islamismo e Judaísmo, “Jonas e a Baleia” também são lidos nas escolas místicas.


“Jonas é também o personagem central no livro de Jonas. Ordenado por Deus para ir para a cidade de Nínive profetizar contra ela “pois a sua maldade subiu até Mim”. Jonas procura em vez disso, fugir “da presença do Senhor”, indo à vela para Jaffa. Enquanto navegava para Társis uma enorme tempestade se levantou e os marinheiros, percebendo que esta não era uma tempestade normal, jogaram sortes e apreendem que Jonas era o culpado. Jonas assume a culpa e afirma que se for lançado ao mar a tempestade cessaria. Os marinheiros tentaram levar o navio para a costa, mas acabam por lança-lo.  Todavia, Jonas é milagrosamente salvo ao ser engolido por um peixe grande, especialmente preparado por Deus, onde passou três dias e três noites (Jonas 1:17). No capítulo dois, dentro do grande peixe, Jonas ora a Deus na sua aflição e compromete-se a agir de graça para pagar o que prometeu. Deus ordena ao grande peixe que o vomite  para cumprir com a sua palavra”

Manly P. Hall, explica o significado oculto do Jonas e a Baleia para os místicos: “Quando é usado como um símbolo do mal, o peixe representa a Terra (homem inferior da natureza) e da tumba (túmulo dos mistérios). Assim foi Jonas, três dias no ventre do peixe “grande”, como Cristo esteve de três dias no túmulo. Vários Pais de Igrejas primitivas acreditavam que a “baleia”, que engoliu Jonas era o símbolo de Deus Pai, que, quando o profeta infeliz foi lançado ao mar, “aceito Jonas na sua própria natureza”, até um lugar de segurança foi alcançado. A história de Jonas é realmente uma lenda da iniciação nos mistérios, e os peixes grandes representam a escuridão, a ignorância que envolve o homem quando  é atirado para fora do navio (nasce) no mar (vida).”

Pinóquio ao atravessar as dificuldades da iniciação morre ao salvar o seu Pai (Criador) da Baleia, simboliza a saída da escuridão e da ignorância. Pinóquio emerge do túmulo, “ressuscitado”, como Jesus Cristo e muitos outros. Renascendo, agora, como um menino “real”, um Homem Iluminado, que rompeu os grilhões da vida material/tridimensional para abraçar o seu “Eu Superior”.

O Grilo Falante, a sua consciência, recebe um crachá de ouro maciço da Fada, o que representa o sucesso do processo alquímico de transmutação interior, o atingir da consciência de Pinóquio, de um metal bruto para ouro. O “Grande Trabalho” foi consagrado, a Ascenção foi realizada.

Clique em http://www.youtube.com/watch?v=DolErctLTxE&feature=related e assista com detalhe, rigor e sentido de auto-observação e auto-critica às 9 partes deste filme da Disney

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: