Início > Geral > Polícia britânica foi quem indicou os McCann como responsáveis

Polícia britânica foi quem indicou os McCann como responsáveis

O embaixador do Reino Unido em Lisboa, Alexander W. Ellis, disse em 2007 ao seu homólogo norte-americano na capital portuguesa, Alfred Hoffman, que foi a polícia britânica que reuniu provas que apontavam os pais de Madeleine McCann como responsáveis pelo desaparecimento da filha, na algarvia Praia da Luz, a 3 de Maio de 2007.

Estes dados são avançados pelo jornal espanhol «El País» e pelo jornal britânico «The Guardian» – duas das cinco publicações a quem a WikiLeaks entregou 250 mil telegramas de representações diplomáticas dos EUA em várias partes do globo.

Segundo estes diários o telegrama em causa – que partiu da embaixada norte-americana em Lisboa, classificado como confidencial – data de 29 de Setembro de 2007, alguns dias após Kate e Gerry McCann terem partido para o Reino Unido, depois de terem sido interrogados pela Polícia Judiciária, em Portimão, e considerados suspeitos do desaparecimento da menina.

No telegrama lê-se: «Sem desenvolver detalhes sobre o caso, Ellis admitiu que a polícia britânica desenvolveu as actuais provas contra os McCann».

O embaixador escreveu ainda que o seu homólogo britânico sublinhou que «o frenesim dos media era esperado e seria aceitável desde que os responsáveis governamentais mantivessem os seus comentários à porta fechada».

O embaixador norte-americano referiu que não lhe foram apresentados detalhes por parte de Alexander W. Ellis (recentemente nomeado embaixador na capital portuguesa) sobre como terão as autoridades do seu país chegado à suspeita sobre o casal McCann.
Contudo, muitos media noticiaram na altura que os indícios em causa terão sido encontrados por cães treinados da polícia britânica que identificaram cheiro a cadáver e sangue, tanto no apartamento onde a família estava na Praia da Luz como na bagageira do carro que alugaram.

Entretanto, o porta-voz do casal McCann, Clarence Mitchell, desvalorizou estas revelações, considerando que o telegrama em causa se tratava apenas de uma «nota completamente histórica».

O ex-investigador da Polícia Judiciária Gonçalo Amaral, que investigou o caso, também já reagiu dizendo que «é estranho» que seja necessário um embaixador falar de provas «para se dar alguma veracidade à responsabilidade dos pais no desaparecimento da Madeleine McCann».

 

http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/wikileaks-maddie-madeleine-mccann-ellis/1217879-4071.html

Sempre atento:

Observer!

Categorias:Geral
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: