Início > Geral > O fim está próximo… Oceano Árctico já está a libertar metano

O fim está próximo… Oceano Árctico já está a libertar metano

«A libertação de metano no oceano árctico já começou. Uma equipa de cientistas contou mais de 250 plumas de bolhas do gás – um dos mais importantes para o efeito de estufa – na região costeira deWest Spitsbergen, a maior ilha do arquipélago da Svalbard, que pertence à Noruega, e fica a Norte da Península Escandinava.
O estudo foi feito por um grupo de investigadores de várias instituições do Reino Unido e da Alemanha, e foi publicado na revista “Geophysical Research Letters”.
A concentração do CO2 na atmosfera faz com que este gás seja o principal responsável pelas alterações climáticas. Mas o metano é 72 vezes mais forte para o efeito de estufa. Apesar de existir em quantidades muito menores (a concentração de metano na atmosfera é de 1745 partes por milhão de milhão, enquanto o CO2 é de 387 partes por milhão), este gás aumentou cinco vezes mais do que o CO2 desde o período pré-industrial.
Os combustíveis fósseis e a agricultura são os principais responsáveis pela libertação do metano. Mas os investigadores têm estado preocupados com os bancos de metano que estão acumulados nos sedimentos marinhos e na tundra polar árctica, que se podem libertar devido ao aumento de temperatura.
“A nossa pesquisa foi feita para podermos estimar quanto metano vai ser libertado devido ao aumento de temperatura dos oceanos”, disse em comunicado Tim Minshull, investigador do Centro Oceanográfico Nacional de Southampton, no Sul de Inglaterra. “Mas não esperávamos encontrar provas tão fortes de que este processo já teve início.”
As mais de 250 plumas de metano foram detectadas por sonar. As amostras do gás foram recuperadas com um sistema de garrafas colocadas a diferentes profundidades. O metano está a ser libertado a profundidades que variam entre os 150 e os 400 metros.
Dependendo da temperatura e da pressão, o metano pode acumular-se sob a forma de metano hidratado, nos sedimentos marinhos. Hoje, no oceano ao largo de West Spitsbergen, o metano hidratado é estável a profundidades superiores a 400 metros, mas há três décadas o composto existia a profundidades a partir dos 360 metros. Nestes últimos 30 anos a temperatura da região aumentou um grau, fazendo com que as moléculas de metano se libertem sob a forma de gás a profundidades cada vez maiores.
Apesar da maioria do metano ficar dissolvido na água – aumentando a acidificação dos oceanos, com um impacte na ecologia das espécies marinhas – é possível haver períodos em que mais metano fuja para a atmosfera.
“Se este processo se espalhar pelas margens continentais do árctico, dezenas de mega toneladas de metano serão libertadas para o oceano”, disse em comunicado Graham Westbrook, professor da Geofísicas da Universidade de Birmingham.»
Sempre atento:
Observer!
Categorias:Geral
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: