Início > Geral > Festival Mediático no Norte de África e Médio Oriente Muçulmanos

Festival Mediático no Norte de África e Médio Oriente Muçulmanos

Por João Lino Santos, em 13-02-2011.

O mais mórbido neste festival mediático das sublevações no Médio Oriente e Norte de África muçulmanos, é Ben Ali, Mubarak e os outros ditadores que ainda não caíram, terem estado no poder enquanto deu jeito aos americanos e israelitas, com a complacência dos europeus. Que no caso de Mubarak, todos os acima citados deixaram desviar o dinheiro do Canal do Suez, enquanto o povo egípcio empobrecia. Há pelo menos 20 anos que se diz em alguns meios que o Mubarak seria o homem mais rico do mundo.

Agora por outro lado as elites financeiras (grande parte judeus ashkenazi sionistas) querem que haja desestabilização no mundo árabe e eis que aparecem estas revoltas todas, nos regimes laicos e muçulmanos do Norte de África e Médio Oriente. Que são revoltas da população pela liberdade, mas que na sombra não vão trazer liberdade mas sim regimes fundamentalistas islâmicos, o que irá permitir a Israel, como já afirmou há uns meses o seu chefe das forças armadas, entrar em guerra de larga escala em todo o Médio Oriente, guerra esta que dá jeito aos “senhores da sombra / elites financeiras” pois a seguir a todas as crises económicas há guerras que depois potenciam a recuperação económica, para além de esta ser também como foram as duas guerras do golfo e a última guerra do Líbano, guerras pela água, de que Israel tem falta.

A potenciação que as elites têm feito do aumento do peso do extremismo nos países islâmicos em detrimento dos islâmicos moderados e dos laicos (caso da Turquia), bem como o abrir fronteiras à imigração de islamicos principalmente árabes na UE, quando não o fazem com os negros e asiáticos, atitude que visa aumentar o choque civilizacional, como já acontece em Espanha com a construção das novas mesquitas e bairros em Granada e Toledo, onde se paga com dinares em vez de euros. Quando houver um qualquer atentado ou afim situação, culpa-se os islamicos, o que gerará mais ódio e trará mais credibilidade para a guerra que as elites israelitas cada vez menos aceites pelo seu povo (judeu, árabe e cristão) querem empreender a curto prazo.

Não podemos esquecer que quem financia o grosso dos grupos extremistas islâmicos pelo mundo, principalmente os da Palestina, são em, grande parte os Judeus Sionistas da Alta Finança que actualmente controlam o governo de Israel, o dos EUA e a UE, entre outros menos relevantes.

A democracia é um engodo pois não há um único regime democrático no mundo, se bem que os mais democráticos na realidade muitas vezes mal explicada pelos média (pertença das elites financeiras), são aqueles que menos parecem aos olhos dos referidos média como a Rússia, a Venezuela, a Bolivia, a Madeira. Pois os países que têm lideres politicos que não embarcam no internacionalismo selvagem do grande capital e se assumem como anti-sistema são muito maltratados e deturpados pelos média.

Em Geopolítica, História e História Económica, nada é tão linear quanto parece à primeira vista e como muitas vezes se transmite nos média mainstream.

————-//————-

Foto: Vista aérea mostra Praça Tahrir ainda cheia no Cairo um dia depois da renúncia do ex-presidente egípcio Hosni Mubarak. Manifestantes fazem exigências para deixar o local (Reuters).

Categorias:Geral
  1. Ainda sem comentários.
  1. Fevereiro 13, 2011 às 7:31

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: