Archive

Archive for the ‘Banca, Economia e Finanças’ Category

Comunidade que não se baseia no Dinheiro

Fevereiro 11, 2011 Deixe um comentário

There are now 28414 members in 154 countries sharing 403895 skills,82648 tools and 452 spaces.

To join them it couldn’t be easier. All you need to do is sign-up (for FREE naturally).

You can then add the skills, tools and spaces that you are happy to share with other members at any stage and at your convenience.

Once you’ve joined you can then search for whatever you need – a skill, tool, space or member. You will then be presented with a list of everyone within a certain distance of your marker (the distance is defined by you) who is willing to share whatever you are looking for, with the nearest person to your doorstep listed first. You then send them a mail through the site, and hopefully arrange to meet up on your own terms in real life!

We limit your emails to each individual member per month to 3, as we really want to encourage members to arrange to meet up in real life.

Site – The Freeconomy Community: http://www.justfortheloveofit.org/

To join the Forum you need to sign up separately – this will only take a couple of minutes also.

Watch this video to see how Freeconomy works in action.

Athenas, Grécia

Dezembro 17, 2010 Deixe um comentário

Hipermercados racionam vendas de açúcar

Dezembro 12, 2010 2 comentários

Cada cliente só pode comprar de três a dois de Açúcar por dia enquanto ainda houver este bem no mercado. Segundo os meus pais e avós, este fenómeno de racionalização de bens alimentares, já não se verificavam há aproximadamente 36 anos. Será algum presságio dos tempos difíceis que aí vêm?

Na minha humilde opinião, não creio que se trate apenas do Açúcar, mas, da procura Mundial de produtos agrícolas que superam em muito a oferta disponível. A Racionalização começou com o açúcar, mas alastrar-se-á a outros bens-alimentares, como os cereais, milho, carne, etc, etc… Todas as cotações de matérias primas agrícolas estão a subir há largos meses, pois, tem se verificado um aumento mundial do consumo, sendo que os hábitos alimentares dos povos dos países emergentes estão se a alterar e a ficar cada vez mais parecidos com os do Ocidente.

Não é um problema de um ou outro artigo, são todos!!! E no futuro verifica-lo-emos!

As maiores cadeias de super e hipermercados em Portugal estão com falta de açúcar, o que os levou a começar a racionar este bem alimentar. Na origem da escassez deste bem alimentar está a falta de matéria-prima, facto que leva as empresas de produção a não refinarem açucar.

A Sonae, que detém as marcas Modelo e Continente, impôs como limite a compra de três quilos por cliente, avançou ao Diário Económico fonte oficial da empresa.

Já o grupo Dia – detentor dos supermercados Minipreço – foi mais austero, ao permitir apenas a compra de duas unidades de açucar por cada cliente.

A escassez da matéria-prima que já se faz sentir desde meados de Novembro deverá agravar-se devido à época de Natal, altura em que os portugueses consomem mais açúcar. E é, justamente, para precaver situações limites que as cadeias de distribuição avançaram com políticas de racionamento.

Segundo fonte oficial da Sonae, “a nossa limitação tem sobretudo a ver com a época em que estamos, em que tradicionalmente é uma altura de picos de consumo de açúcar e é para evitar situações abusivas”

Fonte: http://economico.sapo.pt/noticias/escassez-de-acucar-em-portugal-leva-hipermercados-a-racionar-vendas_106428.html

The Yes Men Fix The World – Uma forma diferente de ser um activista pacífico

Agosto 26, 2010 4 comentários

The Yes Men Fix The World é um Documentário hilariante sobre dois activistas políticos que se fazem passar por responsáveis de grandes empresas, grupos e corporações adeptas do culto da ganância e fazem as mais divertidas acções para chamar a atenção para assuntos muito sérios.

Desde ir para a televisão em directo a anunciar o pagamento de  biliões de dólares para reparar um desastre ambiental (fazendo-se passar por um responsável da empresa) ou criar um fato-bolha surreal e apresentá-lo como solução da Halliburton, entre outras, valeu tudo para colocar em foco as questões verdadeiramente importantes.

[blip.tv ?posts_id=3997547&dest=-1]

Agora a grande questão é…

…Seria possível fazer algo semelhante em Portugal?:)

Opinem, comentem…queremos saber as vossas opiniões.

Para que a História não esqueça – O Polvo II

Março 9, 2010 1 comentário

Paula Lourenço, advogada de Manuel Pedro e Charles Smith*, dois dos arguidos do processo Freeport, *é amiga de José Sócrates* e do seu pai, arquitecto Fernando Pinto de Sousa. Alem disso, a advogada é também defensora de *Carlos Santos Silva,* um empresário muito conhecido da Cova da Beira, também *amigo de longa data de José Sócrates*. Carlos Santos Silva era proprietário da empresa *Conegil,* que participou no consórcio vencedor da construção e exploração da Estação de Tratamento de Resíduos Sólidos da Cova da Beira. Este concurso deu origem a um processo que está agora à espera da marcação da data de julgamento. Um dos arguidos é Horácio Luís de Carvalho, proprietário da empresa HCL, que adquiriu uma parte do capital da empresa de Carlos Santos Silva, mas que o manteve à frente da Conegil. Outro dos arguidos é António José Morais, também amigo de José Sócrates e professor de quatro das cinco cadeiras feitas pelo primeiro-ministro na Universidade Independente. António Morais está acusado dos crimes de corrupção passiva e de branqueamento de capitais. Horácio de Carvalho é acusado de crime de corrupção activa e branqueamento de capitais.
*Paula Lourenço* é ainda a advogada da empresa J. Sá Couto que está a produzir os célebres *computadores “Magalhães”* para os alunos Ler mais…

The Video That USA Army Doesn’t Want You To See (Watch At Your Own Risk)

Março 8, 2010 Deixe um comentário

Ministério Público arquiva mais de metade dos crimes económicos

Março 4, 2010 1 comentário

Susana Represas, Económico Digital
04/03/10

http://economico.sapo.pt/noticias/ministerio-publico-arquiva-mais-de-metade-dos-crimes-economicos_83158.html

Em 2009, distrito de Lisboa termina 30 casos de peculato e 17 de corrupção.

Mais de metade dos 200 processos de crime económico concluídos no passado, foram arquivados. Das 53 acusações feitas pelo Ministério Público do distrito judicial de Lisboa, o crime de peculato foi detectado em 30 processos, seguido de 17 casos de corrupção. No balanço do trabalho da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), divulgado esta semana, conclui-se ainda que o surto de criminalidade que marcou o Verão de 2008, a implementação experimental do Mapa Judiciário e a mudança de muitos serviços para o Campus de Justiça, foram responsáveis pelo acumular do número de processos parados.

Mudanças que terão gerado “alguma instabilidade”, diz o relatório assinado pela procuradora-geral distrital de Lisboa, Francisca Van Dunen. Apesar destas vicissitudes, a responsável considera que em matéria de criminalidade económico-financeira, “o Ministério Público no Distrito Judicial de Lisboa deu sinais de grande vitalidade e de melhoria sensível da capacidade de resposta”. Sobre esta matéria são dados vários exemplos, de casos encerrados no ano passado, por exemplo, a acusação do caso da Universidade Independente, do BCP, dos CTT, entre outros.