Início > Geral > Portugal: As Abelhas estão a desaparecer do país e ninguém sabe porquê

Portugal: As Abelhas estão a desaparecer do país e ninguém sabe porquê

22.08.2010 

"Tem sido uma calamidade, morrem, morrem e ninguém sabe porquê" (Foto: Adriano Miranda)
“Tem sido uma calamidade, morrem, morrem e ninguém sabe porquê” (Foto: Adriano Miranda)

Comunidade científica internacional continua a estudar o fenómeno e ainda não tem conclusões. Em Arouca, os apicultores estão apreensivos com o abandono inexplicável das colmeias.

No alto de um monte de Arouca, Alberto Aguiar, apicultor há 20 anos, mostra as 30 colmeias com um ar desolado. “O movimento está fraco, está quase tudo morto, devo ter duas ou três colónias vivas”, desabafa. O fato de protecção não chega a ser necessário para dar uma volta pelas colónias. Está tudo calmo. Há quatro anos que as abelhas teimam em desaparecer das suas colmeias sem deixar rasto. Situação que o deixa apreensivo ao ponto de questionar a continuidade na arte. Tem agora pouco mais de 20 colmeias habitadas, chegou a ter 170. “Tem sido uma calamidade, morrem, morrem e ninguém sabe porquê.”

Alberto Aguiar mostra o que resta das provas, ou seja, o interior de colmeias com aspecto queimado, colónias que estranhamente deixaram de ter habitantes. “A partir do ano passado, comecei a desistir de povoar as colmeias”, revela. Ainda foi ao Alentejo comprar abelhas, mas no último ano garante que 90 por cento das suas colónias morreram. Feitas as contas, a diminuição dos ganhos financeiros ronda a mesma drástica percentagem. “Não vale a pena investir, é perder dinheiro.” Sempre que abre uma colmeia e encontra o inesperado, que agora que se tornou habitual, a vontade de desistir da apicultura aumenta. “As rainhas continuam a pôr ovos, mas o problema é que não têm abelhas suficientes para o aquecimento e para alimentar as larvas.”

Alberto Aguiar, com vários prémios nacionais conquistados pela qualidade do seu mel, acompanha o assunto e sabe que a ciência ainda não conseguiu encontrar uma explicação para tão estranho desaparecimento. Chegou a colocar um plástico preto à entrada de várias colmeias para tentar apanhar uma abelha morta para enviar para um laboratório. Sem resultados. “Elas desorientam-se, desaparecem e não voltam às colmeias… há alguma coisa que interfere com elas.” A hipótese que os pesticidas usados nas produções intensivas estão a afastar as abelhas não o convence. “Tenho apiários de montanha, longe de culturas onde se usam pesticidas, e também lá as abelhas estão a desaparecer”, explica. As radiações dos aparelhos electrónicos são, na sua opinião, um factor que deve ser analisado com mais atenção. “Sempre que atendo o telemóvel, as abelhas rodeiam a minha mão e não me largam. É curioso.”

Luís Tomé mostra um lote de mais de 20 colmeias empilhadas a um canto da sua garagem. “Está tudo morto, vai tudo para queimar. Há um mês, trouxe 10 colmeias para casa cheias de traças”, conta. Há 20 anos que se dedica à apicultura e, neste momento, tem cerca de 100 colmeias em Arouca. “Todos os anos, morrem abelhas, mas neste momento esta mortandade é anormal. Este ano, não temos quase mel nenhum”, lamenta. Não se lembra de nada assim, mas, por enquanto, Luís Tomé não pensa abandonar a apicultura, que partilha com outra actividade profissional. “Alguém tem de investigar e indicar um medicamento. Há cada vez menos abelhas, cada vez menos… e isto vai acabar.”

Alberto Santos, apicultor de Arouca há 15 anos, perdeu todas as colmeias, 18 no total, e não sabe porquê. O que se passa? “Boa pergunta. As abelhas perdem-se… não sei o que acontece. Se fosse uma doença, elas estariam perto das colmeias, mas a questão é que desaparecem sem deixar rasto e sabemos que não morrem à fome”, comenta. Há dois anos que os seus apiários vinham a perder habitantes. “Desde o ano passado que esta mortandade tem sido mais acentuada.” Alberto Santos, apicultor por hobby, garante que não vai baixar os braços e tentará repovoar as suas colmeias em Fevereiro do próximo ano. “Não se pode desistir”, conclui.

Fenómeno global

O desaparecimento das abelhas é um fenómeno global. Nos Estados Unidos a situação é bastante preocupante, pelas repercussões ambientais, humanas e até económicas. Espanha, França e Alemanha também dão conta de uma anormal diminuição de abelhas. Em Portugal, as associações do sector garantem que, por enquanto, não há razões para alarme.

A Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP), que representa cerca de 30 associações do sector, já aderiu a um grupo mundial que está a analisar o caso. Manuel Gonçalves, presidente da FNAP, considera que, neste momento, a situação não é preocupante, mas que poderá sê-lo “a curto prazo” se as abelhas continuarem a desaparecer. “São diversos os factores que são apresentados para tentar explicar essa situação e se se comprovar que é um factor ambiental, isso pode ser preocupante”, refere. O responsável garante que há cerca de dois anos que os associados da FNAP falam do assunto. “Todos os anos, há sempre uma falha efectiva de cerca de 20 por cento de colmeias que não se consegue repor, mas a situação poderá vir a ser preocupante se verificarmos que a mortandade é excessiva.” “Há um equilíbrio que deixou de existir”, acrescenta. A FNAP está, por isso, atenta a todos os passos dados nesta matéria. O recenseamento oficial é feito a meio do ano e o último, segundo o responsável, até aponta para um acréscimo de cerca de cinco por cento do número de colmeias no país – neste momento, existirão à volta de 400 mil colónias, numa média de 50 por cada apicultor.

A Associação de Apicultores do Parque Natural de Motesinho, que representa cerca de 320 dos 600 apicultores da zona de Bragança, Vinhais, Vimioso e Miranda do Douro, registou alguns casos pontuais, mas nada de alarmante. “Na nossa zona têm havido algumas situações de morte de abelhas, o que, para já, não tem sido motivo de preocupação”, refere Helena Guedes, técnica da associação. De qualquer forma, a situação está a ser avaliada e acompanhada. “Estamos a averiguar as origens das perdas dos efectivos dos nossos apicultores. Mas, para já, não se pode concluir que haja um desaparecimento anormal de abelhas”, adianta.

A Associação de Apicultores do Nordeste do Alentejo também registou “dois ou três casos estranhos”. “Embora pudesse haver algumas situações mais estranhas, em termos de desaparecimento de abelhas, não podemos avançar para uma situação alarmista”, garante João Neto, técnico da associação. “Vinte por cento de quebra de colónias no Inverno é normal”, acrescenta o responsável da estrutura que reúne cerca de 100 apicultores de Nisa, Portalegre, Marvão, Castelo de Vide, entre outras regiões.

Contactado pelo PÚBLICO, o Ministério da Agricultura adianta que a Direcção-Geral de Veterinária não tem, até este momento, conhecimento de qualquer fenómeno relacionado com um estranho desaparecimento de abelhas, sublinhando que a diminuição de efectivos tem sido sempre “associada a causa naturais (incêndios, seca) ou a causas sanitárias (doenças das abelhas)”.

FONTE

Advertisements
Categorias:Geral
  1. Ainda sem comentários.
  1. Maio 17, 2011 às 18:50
  2. Maio 18, 2011 às 11:33
  3. Maio 18, 2011 às 18:31
  4. Maio 18, 2011 às 18:41
  5. Maio 18, 2011 às 21:31

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: