Arquivo

Archive for the ‘Ciência – Várias Áreas de Conhecimento Académico’ Category

Complejo de superioridad, disfraz para los débiles

Agosto 16, 2011 Deixe um comentário
John Santana, El Heraldo – jue, 11 ago 2011 05:19 CDT
 
¿Alguna vez usted fue víctima de alguien agresivo, desafiante, que lo hizo sentir incapaz e inferior?
 
Respire con tranquilidad, pues es probable que su ‘verdugo’ de aquel tiempo tenga menos orgullo y se sienta peor consigo mismo.

Nuevos estudios de la psiquis indican que la gente explosiva, dispuesta a pelear en todo momento y llena de rencor trata de esconder sus puntos débiles con esas características, las cuales corresponden al prototipo de personas que sufren de complejo de inferioridad.

En otras palabras, el complejo contrario, el de superioridad, no es más que la armadura que cubre lo que la gente odia de sí misma y eso, a su vez, quiere decir que las dos situaciones se pueden dar al mismo tiempo y en la misma persona.

De acuerdo con el psicoanalista dominicano y autor de varios libros de autoayuda Ray Bueno, los dos problemas se manifiestan de diferentes maneras pero por una misma razón y es el rechazo por sí mismo, por lo que “el individuo se idealiza y trata de ser alguien diferente”, señala en su más reciente documento en el que analiza los dos padecimientos y que fue publicado en marzo de 2010 en la red. Ler mais…

Anúncios

The London Riots and How They Will be Used to the Elite’s Advantage

Agosto 16, 2011 Deixe um comentário

By | August 10th, 2011 |


Originally triggered by a case of police brutality, the London riots soon became a generalized expression of malcontent from today’s young proletariat. The cramming of the unprivileged into neighbourhoods resembling ghettos combined with continued police oppression has always been an explosive combination. The Los Angeles riots of 1992 and the French riots of 2010 took place in very similar circumstances. While it is obvious that many rioters have absolutely no political agenda except for the looting of a few bottles of liquor, the riots are nevertheless the accumulated result of years of segregation of the poor and minorities in conjunction with the type of police oppression not found in well-to-do suburban areas. Ler mais…

Search begins for giant new planet

Fevereiro 16, 2011 1 comentário

If you grew up thinking there were nine planets and were shocked when Pluto was demoted five years ago, get ready for another surprise. There may be nine after all, and Jupiter may not be the largest.

The hunt is on for a gas giant up to four times the mass of Jupiter thought to be lurking in the outer Oort Cloud, the most remote region of the solar system. The orbit of Tyche (pronounced ty-kee), would be 15,000 times farther from the Sun than the Earth’s, and 375 times farther than Pluto’s, which is why it hasn’t been seen so far.

But scientists now believe the proof of its existence has already been gathered by a Nasa space telescope, Wise, and is just waiting to be analysed.

Ler mais…

A Glândula de Pineal

Fevereiro 9, 2011 1 comentário

Novos conceitos e avanços nas pesquisas. Dr. Sérgio Felipe de Oliveira:

Colisões podem destruir satélites de comunicação na Terra

Fevereiro 6, 2011 2 comentários

O volume de foguetes abandonados, de satélites quebrados e estilhaços, de mísseis na órbita da Terra e toda uma gama de detritos da industria espacial estão a atingir um “ponto de inflexão”, e agora ameaçam os US $ 250 mil milhões no sector de serviços espaciais.

Uma única colisão entre dois satélites ou grandes pedaços de “lixo espacial” poderão enviar milhares de detritos dos escombros em órbita uns contra os outros, cuja colisão entre eles e/ou com os satélites em serviço podem encadear uma reacção descontrolada capaz de destruir a rede de comunicações na Terra: GPS (Sistemas de Posicionamento Global), ligações telefónicas, os sinais de televisão e as previsões meteorológicas estão entre os serviços que estão em risco caso tais colisões se venham verificar.

Esta “reacção em cadeia” pode deixar algumas órbitas atoladas em detritos que se tornam inutilizáveis quer para satélites comerciais quer para militares, advertiu o Departamento de Defesa Espacial dos US  no ano passado.

Também há o risco que grandes exemplares dos destroços possam ameaçar a vida dos astronautas em actividade nas naves espaciais ou mesma na Estação Espacial Internacional.

http://www.telegraph.co.uk/science/space/8295546/Space-so-full-of-junk-that-a-satellite-collision-could-destroy-communications-on-Earth.html

We’re getting closer to an invisibility cloak

Fevereiro 5, 2011 Deixe um comentário

Star Trek‘s Romulans and Harry Potter better watch out — we are getting closer to an invisibility cloak, a physics team reports.

S. Zhang

Built of a natural calcite crystal, the cloak that the Nature Communications journal team led by Shuang Zhang of the United Kingdom’s University of Birmingham, reports (an“invisibility cloak” device ) can hide millimeter-sized objects and maybe much more.

“The cloak can be readily scaled up to hide larger objects, depending on how large a calcite crystal we can find in nature,” Zhang says, by email. “The cloaks might have military applications, for instance, to hide something (such as submarine) on the sea floor, or applications in cosmetics, to hide moles or blemishes on human skin.”

In the last decade, physicists have made advancements in”invisibility cloak” devices, typically engineered “metamaterials” that can conceal objects from microwaves at microscopic sizes.

Zhang and colleagues beat having to make their cloaking device by letting Nature do the work, in the form of a calcite crystal:

In this article, we report the first demonstration of a macroscopic volumetric cloaking device operating at visible frequencies, which can conceal objects of sizes of at least 3 orders of magnitude larger than the wavelength of light in all three dimensions, and works for a specific polarization of the incident light. The cloaking design uses birefringence in a natural crystal calcite, thus eliminating the necessity of time-consuming nanofabrication processes and enabling the realization of cloaking at macroscopic scales. Th e cloaking eff ect was directly observed for red and green laser beams and incoherent white light without resorting to use of a microscope. The demonstration of a macroscopic invisibility-cloak paves the way for future applications of invisibility cloaking.

Calcite is a natural “anisotropic” material that bends light in the way that engineered metamaterials have to be carefully crafted to cause. The crystal, “transforms a deformed mirror into a flat one from all viewing angles,” says the study. “The cloak is capable of hiding three-dimensional objects three to four orders of magnitudes larger than optical wavelengths, and therefore, it satisfies a layman ‘ s definition of an invisibility cloak: namely, the cloaking eff ect can be directly observed without the help of microscopes.”

Say Zhang, by email: “In terms of the time scale, I think there are still years to come to see them being commercialized. The major issue is very large size of the cloak relative to the object to be concealed (about 20 times larger). In reality, cloaks of much more compact size (relative to the objects to be hidden) are highly desired, which requires materials with much larger birefringent effect than calcite. Such materials have yet to be synthesized by materials scientists.”

http://content.usatoday.com/communities/sciencefair/post/2011/02/invisibility-cloak-calcite/1

Oito semanas de meditação provocam alterações cerebrais

Janeiro 30, 2011 Deixe um comentário

Investigação sugere que a transformação é benéfica em saúde física e mental

Alterações benéficas relacionadas com memória, autoconsciência, empatia e stresse 

Alterações benéficas relacionadas com memória, autoconsciência, empatia e stress.
O trabalho mostra que as alterações presentes na estrutura cerebral podem estar relacionadas com esse rendimento. A autora da investigação, Sara Lazar, já tinha realizado estudos onde tinha encontrado diferenças estruturais no cérebro dos profissionais da meditação, ou seja, em pessoas com experiência neste tipo de práticas, em relação a outras pessoas sem antecedentes. As diferenças mais significativas verificaram-se na espessura do córtex cerebral, especialmente em áreas associadas à atenção e integração emocional. 

Na investigação corrente, a equipa utilizou imagens por ressonância magnética da estrutura cerebral de 16 voluntários, durante duas semanas antes e depois de realizarem um curso de meditação de oito semanas – programa definido pela Universidade de Massachusetts, para reduzir o stresse.

O curso previa reuniões semanais, que incluíam a prática de meditação consciente, centrada na consciência e sem prejuízo de sensações e sentimentos, os voluntários receberam gravações áudio para continuarem o exercício em casa.

Voluntários meditaram 27 minutos por dia, durante oito semanas. 

Voluntários meditaram 27 minutos por dia, durante oito semanas.

Alteração da massa cinzenta

Cada participante passou 27 minutos por dia a meditar, praticando os exercícios recomendados. Respostas a um questionário assinalavam melhorias significativas, comparativamente às semanas anteriores. A análise das imagens por ressonância magnética mostrou uma evolução na massa cinzenta, localizada no hipocampo – zona cerebral implicada na aprendizagem, memória, estruturas associadas à autoconsciência, compaixão e introspecção.

Verificaram ainda uma diminuição da massa cinzenta na amígdala cerebral, o conjunto de núcleos neuronais nos lobos temporais, relacionados com a diminuição do stresse. Contudo, nenhuma destas alterações foi observada no grupo de controlo dos restantes voluntários, ou seja, nos que não praticaram meditação.

Segundo o grupo de investigação, os resultados mostram a plasticidade do cérebro e como, mediante a meditação, este se molda e altera, de forma a aumentar o nosso bem-estar e a nossa qualidade de vida. Os avanços abrem portas para novas terapias para pacientes que sofram graves problemas de stresse e stresse pós-traumático, por exemplo.