Arquivo

Archive for the ‘Astrofísica e Astrobiologia’ Category

Search begins for giant new planet

Fevereiro 16, 2011 1 comentário

If you grew up thinking there were nine planets and were shocked when Pluto was demoted five years ago, get ready for another surprise. There may be nine after all, and Jupiter may not be the largest.

The hunt is on for a gas giant up to four times the mass of Jupiter thought to be lurking in the outer Oort Cloud, the most remote region of the solar system. The orbit of Tyche (pronounced ty-kee), would be 15,000 times farther from the Sun than the Earth’s, and 375 times farther than Pluto’s, which is why it hasn’t been seen so far.

But scientists now believe the proof of its existence has already been gathered by a Nasa space telescope, Wise, and is just waiting to be analysed.

Ler mais…

Colisões podem destruir satélites de comunicação na Terra

Fevereiro 6, 2011 2 comentários

O volume de foguetes abandonados, de satélites quebrados e estilhaços, de mísseis na órbita da Terra e toda uma gama de detritos da industria espacial estão a atingir um “ponto de inflexão”, e agora ameaçam os US $ 250 mil milhões no sector de serviços espaciais.

Uma única colisão entre dois satélites ou grandes pedaços de “lixo espacial” poderão enviar milhares de detritos dos escombros em órbita uns contra os outros, cuja colisão entre eles e/ou com os satélites em serviço podem encadear uma reacção descontrolada capaz de destruir a rede de comunicações na Terra: GPS (Sistemas de Posicionamento Global), ligações telefónicas, os sinais de televisão e as previsões meteorológicas estão entre os serviços que estão em risco caso tais colisões se venham verificar.

Esta “reacção em cadeia” pode deixar algumas órbitas atoladas em detritos que se tornam inutilizáveis quer para satélites comerciais quer para militares, advertiu o Departamento de Defesa Espacial dos US  no ano passado.

Também há o risco que grandes exemplares dos destroços possam ameaçar a vida dos astronautas em actividade nas naves espaciais ou mesma na Estação Espacial Internacional.

http://www.telegraph.co.uk/science/space/8295546/Space-so-full-of-junk-that-a-satellite-collision-could-destroy-communications-on-Earth.html

O novo e rebuscado horóscopo, saiba qual é o seu novo signo solar!

Janeiro 20, 2011 3 comentários

Sabe qual é o seu signo? Se calhar, não. Se calhar, é um bocadinho ao lado. E porquê? Porque um astrónomo norte-americano veio dizer que há um «décimo terceiro» signo e a divisão actual sofre mexidas. O novo signo é o Serpentário

Quem o diz é o astrónomo Parke Kundle , do Minnesota, nos Estados Unidos. Em entrevista à «NBC», explicou que, por causa da atracção gravitacional que a Lua exerce sobre a Terra, o alinhamer nto das estrelas foi empurrado em cerca de um mês. Ou seja, a Terra está hoje numa posição diferente em relação ao Sol daquela em que estava há três mil anos quando a astrologia começou a ser estudada.

Como o signo astrológico é determinado pela posição do Sol no dia em que a pessoa nasceu, tudo o que sabe sobre o horóscopo pode estar errado, de acordo com Kundle.

A tese é polémica, e opõe os aqueles que se baseiam na posição dos astros para fazer o horóscopo, e os que se preocupam com a posição actual de estrelas e planetas.

Para conhecer o seu novo signo, basta andar uma casa para trás, mais ou menos. Mas, não espere que ao ler o seu signo numa revista isso vá mudar grande coisa.

O novo mapa da astrologia, de acordo com o astrónomo do Minnesota:

Capricórnio: de 20 de Janeiro a 16 de Fevereiro
Aquário: de 16 de Fevereiro a 11 de Março
Peixes: de 11 Março a 18 de Abril
Carneiro: de 18 de Abril a 13 de Maio
Touro: de 13 de Maio a 21 de Junho
Gémeos: de 21 de Junho a 20 de Julho
Caranguejo: de 20 de Julho a 10 de Agosto
Leão: de 10 de Agosto a 16 de Setembro
Virgem: de 16 de Setembro a 30 de Outubro
Balança: de 30 de Outubro a 23 de Novembro
Escorpião: de 23 a 29 de Novembro
Serpentário: de 29 de Novembro a 17 de Dezembro
Sagitário: de 17 de Dezembro a 20 de Janeiro

Fonte:http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/astros-zodiaco-signos-mudam-astrologia-tvi24–/1225807-4071.html

Esta Alteração tem razão de ser?

Segundo a História da Astrologia pensa-se que a Astrologia teve génese na Mesopotâmia  por volta do ano 15000 AC, sendo que a Astrologia Caldaica, a primeira formula astrológica conhecida, tem  7000 anos.

Os primeiros estudos astrológicos não levavam em consideração o Zodíaco, mas sim, a relação local do observador com as estrelas fixas. Posteriormente aparece a relação dos planetas com as estrelas fixas e constitui-se o Zodíaco Sideral. Graças às discrepâncias das Constelações, institui-se mais tarde por volta de 500 AC o Zodíaco Tropical que é imutável porque se baseia no movimento de Translação à volta da Terra, a não ser que a Terra desorbite este manter-se-á até ao final dos tempos…

Pelo que tenho alguma dificuldade em aceitar este novo embuste astrológico, que vindo de um astrónomo, é natural que me suscite bastantes dúvidas que a meu ver só a veio desacreditar e desvirtuar o “mistério da Fé” na  Astrologia.

História da Astrologia: http://www.cantinhodeluz.com/Um%20pouco%20de%20Historia.htm

O que significa a descoberta da nova forma de Vida pela NASA

Dezembro 3, 2010 1 comentário

What does NASA's new lifeform discovery mean?

Site Oficial da NASA:http://www.nasa.gov/

In a much anticipated press conference yesterday afternoon,NASA astrobiologists announced, the discovery of an amazing new kind of microbes, which extend the boundaries of what we may rightly call life. According to the press release, “NASA-funded astrobiology research has changed the fundamental knowledge about what comprises all known life on Earth.” Discovered in Mono Lake, an extremely salty and alkaline body of water near Yosemite National Park in California, the microorganism is the first known specimen to substitute arsenic for phosphorus in its cell components, and has raised questions about what the discovery means for extraterrestrial life.

To find out what it really means, we called Robert Shapiro, a professor of chemistry at New York University who has written extensively about life’s origins on earth and its potential existence in outer space.

What does this mean for the discovery of life in our solar system or universe?

Not much, except that people may need to broaden their perspectives, and that we should be less “Terracentric” as we seek out new forms of life. Mostly, this discovery adds a new extremophile [organism that lives in an extreme environment] to our inventory — it pushes the boundaries out a little farther. The grand prize would be to discover an independent origin of life: life with its very own chemistry. Such a discovery wouldn’t just say that evolution is robust, it would say that life is abundant. But this discovery doesn’t do that: These organisms are not completely different in their chemical makeup from what we already know.

From what I can tell, the microbes prefer to live “normally” but may insert arsenic as a substitute for phosphorus when conditions demand it — arsenic can play the same role that phosphorus would play under normal circumstances. This is a great novelty. Arsenic is bigger and heavier than phosphorus, and its compounds are less stable. These organisms would not have done this unless they didn’t have any other choice. Just like Dr. Gerald Joyce, who was quoted in the New York Times today, I feel sorry for these creatures. Their living conditions are horrible — their environment would be poisonous to most other life on Earth.

Are there any lessons about where to focus our search for extraterrestrial life?

Broader searches are better searches. I always marveled at how parochial the searches were that focused on existing genetic assumptions. Hopefully, these findings will shift attention at NASA from [Jupiter moon] Europa — where life may be more familiar, but trapped under a deep ice cap — to [Saturn moon] Titan — where surface life could exist, but conditions are most hostile to traditional life-forms.

That said, it does reinforce Paul Davies’ “Shadow Biosphere” theory that suggests we may be missing major strains of life right here on Earth — either in places traditionally deemed too hostile to life or maybe even right under our noses. An obvious question, then, would be to ask how alternate forms of life could have escaped our notice all this time. Some argue that carbon life may have  evolved from mineral life with no carbon of its own, and one could imagine experiments to test this hypothesis. You could simply introduce a carbon-free broth to a carbon-free environment, for example, and see what grows. Or as some people suggest, there could be benefits to testing radioactive environments.

You mentioned that arsenic is poisonous. Are there any industrial applications of these critters that spring to mind?

No, there’s no obvious industrial applications. It just shakes up our thinking about what’s possible.

So what’s the takeaway, then?

It’s an exciting time for risky ideas. Let’s try them. If one in 10 or one in 100 work, wow!

Fonte:http://www.salon.com/life/feature/2010/12/03/nasa_discovers_amazing_new_form_of_life

NASA’s World Revelation

Dezembro 2, 2010 1 comentário

NASA and Science magazine revealed, today, the discovery of a bacterium at a californian lake that can grow by using arsenic instead of phosphorus…What big deal!!! Is that the tremendous extraterrestrial life world revelation?

Life is mostly composed of the elements carbon, hydrogen, nitrogen, oxygen, sulfur, and phosphorus. Although these six elements make up nucleic acids, proteins, and lipids and thus the bulk of living matter, it is theoretically possible that some other elements in the periodic table could serve the same functions. Here, we describe a bacterium, strain GFAJ-1 of the Halomonadaceae, isolated from Mono Lake, California, which substitutes arsenic for phosphorus to sustain its growth. Our data show evidence for arsenate in macromolecules that normally contain phosphate, most notably nucleic acids and proteins. Exchange of one of the major bioelements may have profound evolutionary and geochemical significance.

Fonte:http://www.nasa.gov/topics/universe/features/astrobiology_toxic_chemical.html

NASA vai divulgar descoberta sobre extraterrestres

Dezembro 1, 2010 8 comentários

Site Oficial da NASA: http://www.nasa.gov/

A NASA vai anunciar esta quinta-feira «uma descoberta que terá um impacto na procura de vida extraterrestre».

A informação foi avançada através de uma pequena nota disponibilizada no site oficial da agência espacial norte-americana.

Segundo a mesma nota ,«a descoberta terá um impacto na procura de vida extraterrestre». A informação será divulgada em conferência de imprensa e será transmitida em directo no site oficial da NASA, incidindo sobre Astrobiologia, a ciência que estuda a possibilidade de vida no universo.

Recentemente a NASA descobriu oxigénio e dióxido de carbono numa das luas de Saturno.

Fonte: http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=5862

CNN passa EM DIRECTO noticia sobre OVNIS

Setembro 29, 2010 Deixe um comentário

A CNN passou em directo uma conferencia de imprensa no clube national de imprensa dos EUA, sobre as incursões de naves extra terrestres em instalações nucleares americanas.

Parece que começou uma soft-disclosure, a preparar o público para a revelação aberta.

O que é surpreendente é a conferencia ter honras de emissão em directo, à semelhança de outra da Fox feita a semana passada.

Têm sido muitas as noticias e os acontecimentos recentes ligados a este fenomeno, por isso cada vez mais me parece que a revelaçao está proxima…

Clique no link para o ver na integra:

Fonte: http://edition.cnn.com/video/#/video/us/2010/09/27/bts.ufo.activity.cnn?iref=allsearch