Início > Geral > Sócrates: «Pagar a dívida é ideia de criança» com video no link abaixo

Sócrates: «Pagar a dívida é ideia de criança» com video no link abaixo

Ex-primeiro-ministro fala pela primeira vez depois de ter deixado o Governo

José Sócrates afirma que para países como Portugal e Espanha pagar a dívida é uma ideia de criança.

O ex-primeiro ministro, que actualmente estuda Ciência Política em Paris, também considera que as dívidas dos estados são eternas por definição. Foi a primeira vez que falou em público depois de ter deixado o Governo:

«A minha visão é que para países como Portugal e Espanha a ideia de que agora é preciso pagar a dívida é uma ideia de criança. As dívidas dos países, pelo menos foi o que eu estudei em economia, são por definição eternas. As dívidas gerem-se, foi assim que eu estudei. É claro que não podemos deixar crescer muito, porque isso pesa sobre os encargos. Todavia, para um país como Portugal é absolutamente essencial, para a sua modernização e para o seu desenvolvimento, ter financiamento, quer para a modernização das suas infraestruturas, quer para a modernização das suas políticas, quer para o crescimento da sua economia. É assim que eu vejo as coisas».

Declarações realizadas durante uma hora e meia em Poitiers, a 3 de Novembro, numa conferência sobre a evolução de Portugal e onde Sócrates também foi questionado sobre o estado da Europa.

Esta resposta surgiu quando um dos alunos presentes na sala lhe perguntava sobre a culpa da esquerda na actual crise. Sócrates lembrou que «o ódio ao estado social tem décadas» e que a direita está a aproveitar para atacar esta realidade europeia.

«Simples homem de acção»

Mas o ex-primeiro-ministro falou de muito mais coisas. Explicando em francês que preferia fazer a análise completa em português, para não ser mal interpretado, pediu aos colegas para não acreditarem em «tudo o que se diz de Portugal». Elogiou o progresso na educação, na ciência, nas energias renováveis e até no casamento gay, mas admitiu que o seu papel agora é diferente: «Neste momento sou um pobre homem de acção e é um prazer poder ler os textos clássicos».

Quanto à crise do euro, confessa que estamos a atravessar «tempos horríveis em Portugal e na Europa», mas acredita que «a Europa não vai ficar na mesma». «Eu darei tudo para que ande para a frente», frisou, aproveitando para lembrar que o Tratado actual chama-se de Lisboa e isso dá-lhe um prazer pessoal: «O que fizemos foi obra de tanta gente que ao ver a situação actual parte-me o coração».

A crise é uma evidência e «não há nada pior para um político do que uma crise». De qualquer forma, atravessa-se «um dos piores momentos da história económica, só comparável a 29». Um período que começou nos Estados Unidos em 2008 e que ainda não terminou. «Recordo-me que me ligaram no Verão de 2007 a dizer o que era o subprime», recorda.

«O português mais cabo-verdiano»

Recebido com simpatia em Poitiers, José Sócrates não se cansou de agradecer as perguntas dos seus colegas, muitos deles brasileiros, mas também portugueses e até cabo-verdianos. Aliás, este último aproveitou para dizer que o ex-primeiro-ministro português ajudou muito o seu país. Sócrates agradeceu e foi mais longe:

«Tal como Vinicius disse que se sentia o branco mais negro do Brasil, sinto-me um dos políticos portugueses mais cabo-verdianos em Portugal» [ndr: referência ao poema de Vinicius de Moraes em que escreve: «O branco mais preto do Brasil da linha direta de Xangô, sarava!»]

Sócrates está nas nuvens. Gosta de falar com os colegas e admite ter «paixão de ser leccionado». «Vim para conviver com a filosofia francesa e com os colegas», desabafou, satisfeito por ter tempo para estudar.

Mesmo no final, uma derradeira questão sobre o que mudaria na sua passagem pelo Governo. O tempo já era escasso, mas Sócrates teve mais uma tirada filosófica: «Vou citar-vos Nietzsche: Arrependermo-nos é errar duas vezes. Considero que o mais importante para alguém como eu, que terminou um mandato, e não perder tempo a olhar para trás. Não quero perder um minuto da minha felicidade no futuro pensando no que poderia fazer diferente no passado».

Video em: http://www.tvi24.iol.pt/aa—videos—politica/socrates-divida-tvi24/1306075-5796.html

Sempre atento:

Observer!

Categorias:Geral
  1. Dezembro 14, 2011 às 8:03

    There is evidently a bundle to know about this. I assume you made some nice points in features also.

  2. Dezembro 17, 2011 às 15:06

    I’ve scan some sensible stuff here. Undoubtedly worth bookmarking for revisiting. I surprise how a lot of effort you set to form such a great informative internet site.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: